Investigadora portuguesa vence prémio europeu

  

unnamed

Margarida Carvalho recebeu o EURO Doctoral Dissertation Award e viu a sua dissertação ser distinguida como "excecional na área de investigação operacional".

É a primeira vez que um português vence este prémio, que avalia as dissertações segundo vários critérios: originalidade e novidade do tema da tese, a pertinência para a área de IO, a profundidade e amplitude dos resultados, as contribuições práticas e teóricas, as aplicações dos resultados, o impacto nas áreas de investigação e a qualidade das publicações associadas.

A tese de Margarida Carvalho, docente na Universidade de Montreal, no Canadá, desenvolve resultados matemáticos com potencial prático no âmbito da saúde, com aplicações em casos de transplante renal. A tese escrita por Margarida Carvalho e orientada por João Pedro Pedroso e Andrea Lodi, no âmbito do doutoramento em Ciências dos Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), intitula-se “Computation of equilibria on integer programming games” e cruza duas áreas científicas: otimização combinatória e teoria dos jogos.

“Na tese foi, pela primeira vez, formulado um jogo para modelar programas de trocas de rins envolvendo hospitais de vários países", explica a investigadora. As conclusões, acrescenta, mostram que "quando as entidades se comportam de forma mais racional, ou seja, concentrando-se apenas no seu benefício individual, o número de pacientes com insuficiência renal que recebe um transplante é maximizado”.

O prémio “EURO Doctoral Dissertation Award” (EDDA) foi lançado em 2003 e distingue contribuições de estudantes de doutoramento ou cientistas que tenham menos de dois anos de experiência desde a conclusão do doutoramento na área da investigação operacional.