Empreender com inovação

  

imagem 0

Este foi o mote do dia para os participantes da academia – IPStartupWeek - que resulta da colaboração entre a Forum Estudante e o Instituto Politécnico de Setúbal.

Hoje seguiu-se rumo à Escola Superior de Ciências Empresariais (ESCE), onde os jovens puderam participar em dinâmicas de grupo, por forma a fomentar ideias criativas, com potencial futuro.

imagem 1

A receção foi feita por João Pedro Cordeiro, subdiretor da Escola, que esclareceu os mais jovens sobre a oferta formativa que esta apresenta, dos cursos técnicos superiores profissionais (CteSP), às licenciaturas, bem como mestrados. Explicou ainda outras iniciativas que a ESCE promove, como por exemplo o "Open Day" onde os jovens poderão participar e conhecer um pouco mais sobre o que a Escola tem para oferecer e, ainda, um "jogo de gestão inter-escolas". No final da apresentação desejou aos presentes um "excelente dia", com a salvaguarda de que esta seria "uma experiência exigente, em termos de reflexão".

imagem 2

A sessão de boas-vindas contou também com a intervenção da coordenadora do mestrado em Ciências Empresariais e docente da ESCE/IPS, Teresa Costa que começou por perguntar aos jovens o que significava para eles empreendedorismo. Arriscar, gerir e investir foram algumas das respostas da audiência. Numa fase subsequente a docente explicitou que existem "várias perspetivas sobre o empreendedorismo", mas cada vez mais é "difícil falar de empreendedorismo sem falar de inovação".

 

Troca de ideias

E das palavras passou-se à prática. A primeira atividade do dia consistiu num "brainstorming", em que cada equipa constituída por cerca de seis elementos tinha que apresentar 20 ideias em 20 minutos. Entre "semáforos aéreos", a "robots salva-vidas", passando por "headphones que avaliam o tipo de música a reproduzir segundo o humor", muitas foram as ideias que circularam pela sala. Mas porque umas são mais viáveis que outras, depois de enumerados os tópicos, estes circularam pelas outras equipas que deveriam riscar aqueles que, consoante determinadas regras, como por exemplo uma ideia similiar pré-existente, a falta de um nicho de mercado, seriam menos passíveis de sucesso.

imagem 3

imagem 4

Depois desta fase de depuração, os jovens puderam então discutir, segundo a sua ótica, qual seria a melhor ideia. Esta escolha foi feita mediante alguns
critérios de avaliação, como "a ideia mais inovadora", " a que corresponde a uma necessidade mais urgente" e, ainda, "aquela que terá uma procura de mercado maior".

 

Elevator pitch!

No final cada equipa escolheu a sua melhor ideia, por forma a fazer um "poster" destinado a apresentação. Assim sendo, cada grupo pôde mostrar a sua ideia a todos os outros participantes. Originalidade e inovação não faltaram durante a sessão em que os jovens expuseram os seus projetos. Desde "Red Move", uma bateria recarregável através do movimento, ao "Zé, o robot salva-vidas", um humanóide capacitado para defender pessoas, bem como à marca "Bikinis Never Wet", de fatos de banho com capacidade de auto-secagem e, ainda, uma aplicação para desligar redes sociais durante épocas de estudo ("NO DISTRACTION") muitas foram as ideias que se pautaram pela criatividade. "Senso sente", "Turn Off", "Wear It" e "Giragsol" foram outras das iniciativas em destaque.

imagem 5

imagem 6

 

À conversa com empreendedores

O dia terminou em grande, com um espaço de debate, onde os participantes tiveram a oportunidade de ouvir Catarina Gomes e Ricardo Vagarinho, vencedores do primeiro lugar do concurso Poliempreende, com o projeto Biocare. Também Renata Coutinho, Fátima Brízio e Paulo Mendes, que arrecadaram o terceiro lugar na competição, estiveram presentes neste espaço, onde explicaram a génese e funcionamento da iniciativa Switch Case.
O promotor da Biocare, especializada na prestação de cuidados de saúde ao domicílio contou aos jovens de que forma o projeto ganhou asas - "fizemos crescer as nossas ideias com inovação e empreendedorismo."

imagem 7