Mão de obra humana substituída por máquinas

  

 

automotive-3

É um fenómeno quase inevitável e temido por todo o mundo. As máquinas substituem os humanos, causando a perda de milhões de postos de trabalho. Na China começam também a existir robôs nas fábricas, não com o intuito de substituir a mão de obra humana, mas para fazer face aos milhões de pedidos de automóveis!

O New York Times informou que a plataforma ultra moderna da Ford em Hangzhou e as fábricas da Cadillac em Wuhan e Xangai estão a utilizar robôs para trabalhos que há menos de uma década eram realizados pelos trabalhadores. Como a China pretende “dar cartas” na industria automóvel, estes robôs são cruciais para o aumento da produção e redução dos custos da mesma.
Os salários dos operários na China aumentaram, em parte, devido à injecção de capital por parte das marcas de automóveis e também devido à politica de natalidade (1 filho) imposta pelo governo Chinês. Esta politica reduziu a natalidade nos anos 80 e 90, pelo que foi reduzido para metade, o número de pessoas que entram no mercado de trabalho. O número de matriculas pedidas aumentou cerca de 8 vezes.

O salário dos operários na China ronda agora os 3,60€ à hora!

Na fábrica da Ford em Hangzhou, os robôs pintam e soldam. No entanto, o selante ainda é aplicado pelos trabalhadores. A Ford quer certificar-se de que os robôs conseguem executar este processo na perfeição, antes de passarem a fazê-lo com a regularidade pretendida.

A noticias do New York Times revelam que a Ford usa cerca de 650 robôs na sua fábrica, mas que a empresa também emprega 2.800 trabalhadores. Enquanto os automóveis continuarem com o volume de vendas elevadíssimo na China, os robôs irão ser sempre necessários. A mão de obra Chinesa já não é tão barata quanto era há uns tempos, pelo que algumas marcas começam a “deslocar” as produções para o sudeste asiático, para países como o Vietname.