Ângela Lemos, do Politécnico de Setúbal, começou por apresentar a “Oficina Lu Ban”, um projeto de ensino e investigação na área da Indústria 4.0 inagurado recentemente por esta instituição de ensino, em parceria com o Governo de Tiajin. O foco, explicou, está na automação e robótica, sendo que “esta é uma iniciativa agregadora de várias áreas disciplinares”. “Isso permite aos alunos uma aprendizagem mais integradora", reforçou.

GICOM3 4

Nessa medida, destacou Ângela Lemos, a “Oficina Lu Ban” insere-se “nas diferentes vertentes de ação do IPS”, sendo que o objetivo passa pela produção de conhecimento e desenvolvimento industrial. O projeto inclui ainda intercâmbio de docentes e a instalação de equipamento tecnológico de ponta em Setúbal.

André Botelheiro, da Universidade do Algarve, partilhou depois com os presentes os contornos do projeto “Study and Research in Algarve” – uma estratégia de comunicação que procura a internacionalização desta instituição. O projeto liga-se à semana aberta ("Summer Campus") de atividades que, em 2018, incluiu vagas para 40 estudantes estrangeiros.

GICOM3 3

Para além do resultado imediato – alguns destes participantes matricularam-se efetivamente na Universidade do Algarve – André Botelheiro sublinhou ainda o impacto “multiplicador” desta ação, nomeadamente através da disseminação da mensagem através dos social media e em meios de comunicação social nacionais e estrangeiros. Os materiais de comunicação são realizados em colaboração com os próprios estudantes da Universidade do Algarve, revelou ainda, por haver a convicção dos jovens “terem uma linguagem mais próxima” do público-alvo.

Do Porto a Bragança 
Susana Pinto, do Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Politécnico do Porto, partilhou com os participantes de uma campanha de comunicação baseada no testemunho de oito estudantes. "Selecionámos oito alunos", começou por destacar, sublinhando que foi dada "liberdade para que os alunos" prestassem um testemunho genuíno.  O objetivo é agora continuar a campanha ao longo do tempo, acompanhando a inserção profissional ou a continuação dos estudos destes mesmos estudantes.

GICOM3 2

Em média, cada vídeo alcançou 4500 visualizações, com uma média de 20 partilhas por publicação. Números que causaram um impacto imediato nos trabalhos do gabinete, com o registo de um maior número de pedidos de informação. Neste processo, destacou Susana Pinto, "esteve em destaque o sentimento de pertença" à instituição. Por outro lado, o facto da comunicação dos estudantes ser "mais light" tornou as peças mais eficazes junto dos estudantes do Ensino Secundário. 

Representando o Politécnico de Bragança, Anabela Martins, apresentou o projeto de internacionalização deste instituto. Tendo em conta as características da região, destacou, havia o "enorme desafio de captar alunos". "O distrito de Bragança é o distrito menos conhecido dos não-transmontanos", reforçou. 

GICOM3 1

As características da região, contudo, são atrativas para certos públicos, nomeadamente para estudantes estrangeiros que se preocupem especialmente com a segurança ou com um baixo custo de vida. Tendo por base esta ideia, o gabinete de comunicação do IPB desenvolveu então uma estratégia de internacionalização. Atualmente, os estudantes internacionais representam 26% do total de alunos, com cerca de 60 nacionalidades diferentes. Segundo um estudo realizado em 2012, esta comunidade tem um impacto de 12 milhões de euros na região.