21 885 47 30 | geral@forum.pt

Começou hoje a Academia IPStartupWeek, uma parceria entre a Forum Estudante e o Politécnico de Setúbal. Durante cinco dias, 50 estudantes do Ensino Secundário vão conhecer por dentro o mundo do empreendedorismo.

À pergunta “quando sentiste, pela primeira vez, a ligação ao empreendedorismo?”, o estudante Bernado Monteiro, de 17 anos, tem uma resposta pouco habitual: “Aos seis anos”. “Perguntavam-me o que faria com uma certa quantidade de dinheiro e eu dava ideias”, explica. Aos 12 anos, começou “a pensar mais a sério”. Aos 15, surge “o primeiro negócio”, enquanto estudante da Escola Secundária Matias Aires: personalizar cartões da escola.

“Fazia o trabalho nos intervalos da escola e, como o pessoal aderiu tanto, acabei por ficar sem tempo”, recorda. Acabaria por “entregar o negócio à escola”. Contudo, a ligação nunca seria quebrada: desde então, já abriu uma loja online de venda de sofás insufláveis. “E, hoje em dia, faço sites”, realça.

Foi este interesse que levou Bernardo a inscrever-se na Academia IPStartupWeek. “Conheci a academia na minha escola e o facto do tema ser o empreendedorismo foi decisivo”, explica, antes de deixar a sua expectativa para estes cinco dias de atividades no Politécnico de Setúbal: “Espero divertir-me e sair daqui com um pouco mais de conhecimento sobre esta área”.

 

“Espero divertir-me e sair daqui com um
pouco mais de conhecimento sobre a área do empreendedorismo”.
Bernardo Monteiro, participante da IPStartupWeek

 

Por dentro do Ensino Superior

“É um prazer receber-vos”, começou por destacar a vice-presidente do IPS, Ângela Lemos, no acolhimento dos participantes da IPStartupWeek. Enquanto Instituição de Ensino Superior, o Politécnico de Setúbal tem uma ligação especial a este público, realçou: “É para vocês que nós existimos”.

Estes cinco dias de atividades servem para os estudantes “desenvolverem as vertentes empreendedora e de inovação – algo que uma instituição de ensino como o IPStartupWeek possui”. Por essa razão, acrescentou Ângela Lemos, o programa desta academia inclui “vários momentos de workshop ou formação nestas áreas”.

 

 MG 9552

 MG 9548

 

Para além das atividades realizadas e das amizades criadas, esta é também uma oportunidade para “conhecer a oferta formativa muito vasta do IPS”, realçou a vice-presidente. Para além das diferentes áreas de estudo (que vão da Saúde à Educação, passando pela Tecnologia e pelas Ciências Empresariais), existem ainda opções formativas adequadas aos vários perfis de estudantes à saída do Ensino Secundário: dos Cursos Técnicos Superiores Profissioais aos cursos de licenciatura.

Em comum, os cursos ministrados pelo Politécnico de Setúbal distinguem-se por “ser virados para a prática, com relações próximas com as empresas, as indústrias e as instituições sociais”, destaca Ângela Lemos. As atividades da semana vão também contar com o apoio de estudantes de cursos das diferentes áreas do IPS, acrescentou, reforçando: “Aproveitem para nos conhecer”.

 

My Startup Week

Ainda durante a sessão de acolhimento, que serviu como abertura desta semana de atividades, foi lançada a iniciativa “My Startup Life”: ao longo dos cinco dias, os participantes são desafiados a registar os melhores momentos da sua semana, editando um vídeo por equipa em que, para além do tempo máximo de três minutos, “o único limite é a imaginação”.

O subdiretor da Escola Superior de Educação do IPS, João Pires, destacou como esta inicativa serve para criar uma memória personalizada: “Mostrem o que mais vos dará prazer esta semana”. Um dos desafios, realçou, passará por equilibrar os registos informativo e artístico, uma vez que “um bom documentário é um documentário criativo”.

 

 MG 9579

 

João Pires partilhou, depois, algumas orientações relativas às principais técnicas a utilizar durante a semana: a orientação de gravação (horizontal e não vertical), o equilíbrio entre a utilização de vídeo ou fotografia ou o cuidado com os pormenores técnicos foram algumas das questões abordadas.

 

Quebrar o gelo

No pavilhão da ESE, as músicas sucedem-se e trazem ambientes diferentes a cada mudança. À guitarra de Carlos Paredes, segue-se uma batida de Hip-Hop. Pelo meio, há Bossa Nova. O desafio colocado aos participantes é acompanhar livremente as diferentes sonoridades, corporizando a sua relação com a música.

O momento inseriu-se na primeira atividade do programa da IPStartupWeek – um “Quebra-Gelo” na Escola Superior de Educação. De acordo com o docente desta escola, Filipe Fialho, a escolha não foi inocente: “A ideia é que, com atividades muito descontraídas, sobretudo expressivas e utilizando o contacto, se possam quebrar barreiras naturais presentes entre pessoas que acabaram de se conhecer”.

 

 MG 9610

 MG 9637

 

Por essa razão, este momento de interação poderá ter impacto no resto da semana, acredita o docente, uma vez que os participantes se tornam “mais capazes de crescer e de contribuir para o crescimento do outro”. “Queremos criar um espaço de partilha”, reforçou.

Para o docente do departamenteo de artes da ESE, esta é também uma forma de conhecer o trabalho realizado nesta escola. Ao “utilizar linguagens artísticas como a dança ou a música”, é possível conhecer atividades que fazem parte de unidades curriculares de diferentes cursos da ESE, explica: “são atividades que estão incluídas nas primeiras abordagens, ao nível da Educação Artística”.

 

À conversa com empreendedores

O final de tarde foi passado à sombra do icónico sobreiro que ocupa um dos espaços centrais da Escola Superior de Educação, durante uma conversa com três empreendedores ligados à IPStartup – a incubadora de empresas e ideias de negócio do Politécnico de Setúbal. Durante cerca de uma hora e meia, numa dinâmica de Q & A (Perguntas e Respostas), a conversa passou pela partilha de experiências sobre os desafios e as oportunidades da atividade empreendedora.

Para a colabodora da IPStartup, Elis Ossmane, o principal objetivo passou por “mostrar que é possível empreender, desde cedo”, independentemente de existir um fim empresarial. Cada vez mais, acredita, “é necessário que as pessoas tenham iniciativa e isso deve ser trabalhado”, independemente de se vir a criar uma empresa.

 MG 9716

 MG 9757

 

Através do contacto com os casos específicos incubados na IPStartup, foi também possível aos participantes conhecer as várias fases do processo empreendedor. Um processo que é aplicado às mais diferentes áreas, explica Elis Ossmane: “Por exemplo, hoje, tivemos aqui projetos das áreas de biotecnologia, tecnologias de informação e da gestão”.

Os estudantes, acrescenta, mostraram-se “participativos e interessados”. Sobretudo, realça, evidenciaram uma possível necessidade. “Muitos destes estudantes referiram que não existe este tipo de iniciativas ou abordagem ao empreendedorismo nas suas escolas”.

 

À descoberta do campus

Para depois de jantar, estava reservado um peddy-paper no Politécnico de Setúbal, organizado pela Associação Académica deste instituto. A presidente da AAIPS, Inês Silva, explica que o objetivo passa por “levar os participantes a conhecer o campus, as suas escolas e também os seus detalhes”.

Enquanto associação académica, a AAIPS “consegue representar cada estudante e, em conjunto com os núcleos de curso, chegar verdadeiramente às suas necessidades”, explica. Uma missão que é especialmente relevante face ao contexto, acredita Inês Silva: “A nível nacional, a Ação Social já há muito tempo que não consegue dar resposta a todas as necessidades [dos estudantes]”. Nesse sentido, a presidente destaca o papel de serviços como o apoio à alimentação, à compra do traje ou o acesso a bicicletas.

 

 MG 9782

 MG 9822

 

Outra dos focos de ação desta associação faz-se através de estruturas como o bar ou as reprografias, que “permitem praticar preços mais acessíveis”. No final do peddy-paper, houve ainda tempo para um momento de convívio que pretendeu trazer um pouco do espírito académico a este final de tarde. “Este momento transporta o ambiente que vivemos, por exemplo, numa festa académica, permitindo conehcer essa vertente da nossa ação”, conclui Inês Silva.

É durante este momento que Bernardo Monteiro nos conta que considerou o dia “espetacular”. “O quebra-gelo foi importante, sentiu-se logo uma grande diferença”, explica, antes de realçar ter cumprido um dos seus objetivos: “tive a oportunidade de falar com um dos empreendedores, para tirar algumas dúvidas sobre a venda de produtos online”.

A IPStartupWeek continua amanhã com atividades na Escola Superior de Tecnologia do Barreiro. O desafio será coletivo e passará pela construção... de pontes de esparguete.

Pub Glion2
Pub Megafinalistas
Pub Lisboa Games Week
Últimas - IPS Startup Week
IPS Startup Week
26 Julho 2019

O desafio “Elevator Pitch” marcou as atividades do quarto dia de IPStartupWeek, no Politécnico de Setúbal. 

IPS Startup Week
25 Julho 2019

O terceiro dia da IPStartupWeek começou por trazer um desafio empreendedor: criar ideias e torná-las realidade. Depois, o foco esteve na sustentabilidade ambiental.

IPS Startup Week
24 Julho 2019

O segundo dia da Academia IPStartupWeek passou por ambientes muito diversos: começou com a construção de pontes, passou pelo contacto com a natureza e terminou com uma sessão de cinema.