21 885 47 30 | geral@forum.pt

Em 2019, prevê-se que a indústria de desportos eletrónicos (eSports) alcance um volume de negócio total de mil milhões de dólares. Uma evolução que implica o aparecimento de novos investimentos e até de postos de trabalho.

Há relativamente pouco tempo, pesquisar "lol" no Google resultava, inevitavelmente, em imagens cómicas, mais ou menos engraçadas que fossem. A mesma pesquisa, realizada em 2018, oferece-nos milhares de milhões de resultados sobre o jogo "League of Legends". Resultados esses que, de resto, dominam os resultados de topo da pesquisa. A mudança chegou rapidamente, que o diga o Presidente do canal desportivo ESPN, John Skipper. Em 2014, Skipper garantia à Forbes que os eSports não eram "um desporto", mas sim "uma competição", como o Xadrez ou as Damas. Quatro anos depois, em janeiro deste ano, a mesma ESPN revelava que a sua transmissão da liga de Overwatch teve uma audiência online superior a alguns jogos de futebol americano: um total de 10 milhões de espetadores, em várias plataformas.

Há outros números que evidenciam este crescimento. Segundo dados revelados pelo Youtube, por exemplo, 8,2% das visualizações da plataforma são dedicadas aos desportos eletrónicos (num total de 32 milhões de horas). A previsão é que, em 2018, os eSports movimentem 850 milhões de euros, destaca o Forum Económico Mundial. Passados três anos, em 2021, esse valor deverá subir 65%, com um volume de negócios previsto na ordem dos 1400 milhões de euros. Esta crescente fatia do bolo financeiro é recheada pelo crescente interesse de investidores. Desde logo, são as consultoras como a DeLoitte que aconselham a "capitalizar o crescimento da indústria de eSports". "Para muitos negócios na área dos média e entretenimento, os eSports oferecem uma forma de alcançar uma faixa etária que está cada mais fora do seu alcance", pode ler-se no microsite da empresa destinado a novas tendências e oportunidades de negócio.

De acordo com o fundador e CEO do grupo que detém a Dot Esports – um website especializado em desportos eletrónicos – há três tipos de investidores que se movimentam neste mercado. Para além de celebridades (como Shaquille O'Neill ou Jennifer Lopez) e de equipas desportivas tradicionais (como algumas equipas de NBA), o site especializado em tecnologia destaca a entrada de "magnatas" como o russo Alisher Usmanov que, em 2016, investiu 100 milhões de dólares para comprar a equipa polaca Virtus.Pro. Estes dados levam Riad Chikhani a concluir que os eSports "caminham para o mainstream".


E em Portugal?
Ramiro Teodósio é Presidente de uma das equipas de eSports portuguesas – a FTW Sports Club. Para o dirigente, ainda que o crescimento financeiro global deste mercado seja uma realidade, em Portugal não se sente "nada de muito significativo". Uma realidade que difere, por exemplo, da vizinha Espanha: "em Espanha, uma liga [Superliga Orange] movimenta 2 milhões de euros. Em Portugal, a Liga Portuguesa de LOL não ultrapassa os 30 mil euros". Esta realidade, realça, "não só vai mudar, como terá de mudar". Para Ramiro Teodósio, as potencialidades do mercado de eSports não irão passar despercebidas às empresas e investidores. E a mudança, acredita, partirá das próprias empresas: "Em Portugal, estamos atrás porque as empresas ainda não sabem como fazer parte desta indústria – mas as próprias empresas sentem que têm de fazer mais e querem fazer mais".

 

As eProfissões
Perante este crescimento financeiro, que oportunidades profissionais poderão surgir? A resposta óbvia poderá passar por atleta, comentador ou streamer. Contudo, para Ramiro Teodósio, as oportunidades não ficam por aqui. Desde logo, na área da Informática, com a procura acentuada de desenvolvimento de aplicações, videojogos e programas, bem como com a prestação de assistência a atletas, clubes ou eventos.
Por outro lado, numa área onde "se vive do digital", o presidente da FTW destaca as profissões relacionadas com design e multimédia (nomeadamente edição de vídeo, grafismo ou web development). Destaque ainda para as oportunidades em Gestão (na organização de clubes e eventos), Direito (para registo e oficialização de marcas, jogos e plataformas) e Psicologia (numa lógica preventiva de acompanhamento da vivência saudável dos videojogos).

Independentemente da área profissional, Ramiro Teodósio não tem dúvidas que, na indústria de eSports, todas estas profissões serão "potenciadas de uma forma mais criativa". Isto devido ao constante desenvolvimento tecnológico e pela inexistência de um formato pré-estabelecido: "Aqui, é necessário explorar o desconhecido – não existem limites para a imaginação ou criatividade".

 

{module PUB_2}

{module ALWAYS_ON_2}

Pub IPSantarem
Pub Lisboa Games Week
Pub Megafinalistas
Últimas - Gaming
Gaming
20 Setembro 2019

São seis as categorias a concurso com inscrições até 30 de setembro. A 2.ª edição do Indie X irá ter lugar no Moche XL Games World, o novo evento de videojogos que terá lugar de 14 a 17 de novembro, no Altice Arena.

Gaming
13 Setembro 2019

Evento realiza-se a 28 de setembro com partida do Capitólio. Lisboa vai transformar-se num playground tecnológico de desafios com o ADN Discovery.

Gaming
13 Setembro 2019

O teclado de torneios da Razer - o Razer Huntsman Tournament Edition -, com Switches Lineares Óticos, oferece resposta instantânea indo além das exigências dos profissionais de esports.