21 885 47 30 | geral@forum.pt

"A dama sombria das letras americanas", conhecida sobretudo através do ensaio revela nesta colectânea de ficção breve uma vertente mais pessoal.

 

'Histórias', uma edição da Quetzal, reúne 11 textos, aqui traduzidos por Vasco Teles Menezes. Ao longo de toda a sua vida de escritora, Susan Sontag dedicou-se intermitentemente à ficção curta. Essas histórias passam pela alegoria, pela parábola e pela autobiografia, e mostram uma personalidade em confronto com problemas não assimiláveis pelo ensaio, a forma que Sontag mais praticou. Neste livro, a autora apanha fragmentos da vida, em relance, dramatiza os seus desgostos e temores mais íntimos e deixa que as personagens se apoderem dela como e quando querem. 

Susan Sontag foi uma das mais importantes e influentes intelectuais norte-americanas da segunda metade do século XX. Foi professora, ativista na defesa dos direitos das mulheres e dos direitos humanos em geral, ficcionista e ensaísta frequentemente premiada e amplamente traduzida. A sua escrita foi presença assídua nas publicações The New Yorker, The New York Review of Books, The New York Times, The Times Literary Supplement, Art in America, Antaeus, Parnassus, The Nation e Granta, entre outras. Susan Sontag teve um filho, David Rieff – editor dos
seus diários inéditos, publicados pela Quetzal com o título Renascer –, e viveu os últimos anos da sua vida com a fotógrafa Annie Leibovitz. Susan Sontag nasceu em 1933, em Nova Iorque, cidade onde morreu, em 2004.
Pub Guia Prático Estudante 2019
Pub Huawey PSmart+
Pub Guia Pós-Graduações 2019
Últimas - Livros
Livros
29 Maio 2019

A 30 de maio, a Porto Editora publica 'No Passado e no Futuro Estamos Todos Mortos, uma coleção de mais de 200 crónicas.

Livros
27 Maio 2019

Já chegou a Portugal o mais recente livro dos suecos Lars Kepler, o sétimo título das aventuras protagonizadas pelo inspetor Joona Linna. 

Livros
23 Maio 2019

A 89ª edição apresenta 32 novos pavilhões, num total de 328. Serão 636 as marcas editoriais presentes no Parque Eduardo VII até 16 de junho.