21 885 47 30 | geral@forum.pt

Iniciativa da Porto Editora e Fundação José Saramago, com apoio das Livrarias Bertrand, FNAC e várias livrarias independentes, pretende angariar fundos para a operação "Embondeiro", da Cruz Vermelha Portuguesa.

Nos próximos dias chega às livrarias uma edição especial de O Conto da Ilha Desconhecida, de José Saramago, exclusivamente dedicada à angariação de fundos para apoiar o trabalho da Cruz Vermelha Portuguesa na assistência às vítimas do Ciclone Idai. Esta é uma iniciativa conjunta da Porto Editora, da Fundação José Saramago e herdeiras do Escritor, que envolve também as Livrarias Bertrand, a FNAC e várias livrarias independentes, sendo que todas as receitas e direitos de autor relativos à venda deste livro serão doadas a favor daquela instituição.

Pilar del Río, Presidenta da Fundação José Saramago, afirma, a propósito desta iniciativa, que esta é uma maneira mais de tornar efectiva a ética da responsabilidade, que José Saramago defendia como norma fundamental de convivência. Para Vasco Teixeira, Administrador e Diretor Editorial do Grupo Porto Editora, o envolvimento no movimento coletivo de apoio ao povo moçambicano foi espontâneo: "logo nos primeiros dias, a nossa editora em Maputo, a Plural Editores Moçambique, mobilizou-se no apoio direto através do fornecimento de bens essenciais. Agora, com esta edição especial, esperamos dar mais um contributo para que quem está no terreno possa dar a melhor ajuda. Perante a dimensão da catástrofe, o envolvimento de todos é fundamental".

Pub
Pub Huawey PSmart+
Pub FCH_2019
Últimas - Livros
Livros
17 Julho 2019

No ano em que se assinalam os 500 anos da morte de Leonardo, Walter Isaacson narra com rigor e detalhe histórico as fascinantes vida e mente deste símbolo da Renascença.

Livros
16 Julho 2019

Um jovem escritor, José, é incumbido de escrever a vida do consagrado escritor, José. Este é o ponto de partida do livro que marca o regresso de José Luís Peixoto ao romance, quatro anos depois de Em Teu Ventre.

Livros
16 Julho 2019

Entre o nascimento e a morte no exílio, Amélia de Orleães viveu 86 anos repletos de momentos felizes, mas também de desilusões e traições, como se narra na nova obra de Margarida Durães.