No final de 1996, o então presidente sul-coreano Kim Young-sam encontrou especial interesse num dado estatístico – os lucros do filme Jurassic Park tinham superado os do fabricante de automóveis Hyundai. O momento, descrito numa reportagem de 1996 do Los Angeles Times, é apontado como o início de uma estratégia cultural cujo expoente máximo terá acontecido em 2020, quando o filme sul-coreano Parasite, de Bong Joon-ho, foi o primeiro filme falado noutro idioma que não o inglês a vencer o Oscar de “Melhor Filme”. 

Ao abrigo desta estratégia, durante as últimas duas décadas, a Coreia do Sul tem apostado na exportação de cultura pop. Os resultados chegaram, desde logo, pela música, com o surgimento de milhões de fãs de K-pop em todo o mundo, por exemplo.

 

Fan Re Imagines Squid Game In The World Of SpongeBob

"Squid Game" é o produto mais recente que se insere na "onda sul-coreana" ou "Hallyu"

 

Em entrevista ao Dário de Notícias, em julho deste ano, o embaixador sul-coreano em Portugal, Song Oh, explicava que “Portugal não é exceção nesta tendência” que chamou de “onda coreana”, também apelidada de “Hallyu”: “Sempre que visito regiões do país, encontro muita gente que me diz que os filhos são fãs de K-pop”. 

Para além do sucesso alcançado através da música – bastará recordar o sucesso global de Gangnam Style, em 2012, ou a popularidade atual dos BTS (Bangtan Boys) – o cinema e a televisão (ou, mais recentemente, as plataformas de streaming) são outro dos pilares desta “onda”. A série Squid Game (recomendada para maiores de 16 anos), por exemplo, já se tornou a série mais vista da história da Netflix. Por outro lado, vários filmes sul-coreanos têm alcançado protagonismo, ao longo dos últimos anos. Conhece aqui alguns exemplos. 

#1 Parasite, de Bong Joon-ho (2019) 

 

94246734 5d30 11ea be3e 43af5536d789 image hires 141528

 

Depois de vencer a Palma de Ouro em Cannes, em 2019, “Parasitas” conquistaria os Oscares de 2020, arrecadando quatro estatuetas e tornando-se o primeiro filme de outra língua que não a inglesa a vencer a categoria de “Melhor Filme”.

O obra de Bong Joon-ho é um retrato das desigualdades sociais e económicas, misturando registos como a comédia, o thriller, o terror, a sátira ou a tragédia. O enredo acompanha a história de duas famílias de Seoul que vivem em polos opostos do espectro socioeconómico e cujos destinos se tornam profundamente interligados.  


Clica nas setas abaixo para conhecer as opções seguintes.